jusbrasil.com.br
20 de Setembro de 2018

Como começar a advogar com pouco (ou sem) dinheiro

Pedro Custódio, Advogado
Publicado por Pedro Custódio
há 3 meses

Desde quando comecei a escrever recebo muitos e-mails com mensagens do tipo: Pedro, queria advogar, mas não tenho dinheiro para começar.

Eu vejo que a falta de dinheiro - e também o medo - impede muita gente de colocar suas ideias em prática. Eu era um desses. Quando via toda aquela estrutura do escritório e os custos para mantê-la, pensava: é melhor eu ficar quieto aqui como associado do que me aventurar sem qualquer garantia.

A grande sacada é que a advocacia é uma profissão autônoma e, para começar, você não precisa de muito dinheiro, senão o conhecimento jurídico, a sua carteirinha e bons contatos precisando dos seus serviços.

No início você pode ter a sensação de que está num pequeno barco de madeira no meio do oceano, mas com essas 5 dicas, vou mostrar que você pode começar com o que você já tem.

1 – Dispense o escritório físico

Se você me acompanha por aqui sabe que sou um defensor dessa ideia. Você não precisa de um escritório físico para começar, e só aí já estará economizando uma boa grana. Acredite.

Mais importante do que ter um espaço com secretária, sala de recepção e reuniões é ter clientes que precisam dos seus serviços. Do contrário, você terá apenas uma estrutura bonita para você mesmo.

Como eu fiz (e faço aqui do sítio), comece trabalhando na sua própria casa e, quando necessário, marque um encontro em algum café ou espaços compartilhados.

2 – “Publicidade” não é coisa de escritório grande

Esses dias vi uma discussão sobre publicidade para advogados, depois que os causídicos do Lula deram uma entrevista com a logo do escritório fazendo aquele plano de fundo típico das entrevistas de futebol.

Cara, sinceramente, eu não vejo vantagem ou desvantagem de quem faz ou deixa de fazer esse tipo de coisa. Minha estratégia é outra, simplesmente. Eu não “faço publicidade”, apenas produzo conteúdo, e tenho sido visto e procurado pelas coisas que eu escrevo.

A grande vantagem? Não gasto um real com isso, senão os R$21,99 por mês para manter meu blog no ar.

Quer ser visto e, consequentemente, conseguir clientes? Escreva, publique suas ideias e relacione-se com seus leitores. Isso não vai te custar praticamente nada.

3 – Certifique-se de que todo mundo saiba que você é um advogado

Enviar um e-mail, dar um up nos seus perfis nas redes sociais e se apresentar com mais frequência são coisas que provavelmente não te custarão nada, mas que são importantes na construção da sua marca pessoal.

Às vezes nos formamos, passamos no exame da ordem, mas ainda nossos amigos, familiares e conhecidos nos veem como aquele cara que tocava rock na garagem de casa, ou aquela menina que fazia vídeos sobre moda e maquiagem no YouTube.

Você pode continuar fazendo essas coisas, é claro, mas a advocacia não sobrevive sem clientes, e contar quem é você e o que você faz para o maior número de pessoas possível só aumentam as chances de uma contratação ou indicação dos seus serviços.

4 – Mantenha contato com advogados mais experientes

Contar com conselhos e ajuda dos mais experientes é importante quando você está começando. Mantenha um relacionamento mais próximo com colegas, ex-chefes ou professores da faculdade.

Sempre que ficar inseguro, quando não souber como agir em algum caso específico ou desconhecer algum trâmite processual, peça ajuda para alguém com mais experiência. Isso vale também para a gama de conteúdo interessante disponível na internet. Não sabe como se portar na primeira audiência? Digite no Google “como fazer uma audiência”. Você vai encontrar muita gente compartilhando suas próprias experiências.

Aquela máxima de que ninguém cresce sozinho vale muito aqui e, provavelmente, não te custará nada também.

5 – Aproveite as ferramentas gratuitas

Eu já fiz uma lista de apps e ferramentas que utilizo diariamente – preciso até atualizar o texto porque já encontrei outras. Existe muita coisa boa e gratuita pra você usar no começo e que vai te ajudar muito, desde um software para organizar seus processos e prazos, até um app para organizar suas tarefas pessoais e o seu tempo.

Conclusão

A coisa mais valiosa que você tem dinheiro nenhum é capaz de comprar: o seu conhecimento.

Por isso, com ou sem dinheiro, demonstre o que você sabe, represente as pessoas e colecione as suas próprias experiências.

****

Gostou desse texto? Deixe sua opinião nos comentários. Aproveite também para compartilhar comigo o que você pensa sobre carreira, estilo de vida e objetivos.

****

Publicado originalmente em pedrocustodio.adv.br

****

Ah, se você quiser receber dicas minhas ou novidades por e-mail, basta se cadastrar qui. Ficaria feliz em ter seu contato ;)

126 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Comecei com zero na poupança, uma renda simplória de quase 5 mil reais.
Aluguei uma sala miúda, já escrevia para o Jusbrasil.
Sem querer impressionar ninguém, mas devo reconhecer e informar ao leitor que isto, de fato, me ajudou a estar onde estou hoje.
Escrever e distribuir conteúdo aqui, além de uma ótima terapia, o bolso agradece, pois vez ou outra, alguém já sinaliza que leu um ou outro texto de minha autoria disponibilizado na plataforma do Jusbrasil.

Seu texto está muito bom. Ótimo mesmo!
Só discordo da sua ideia de não ter um escritório físico. Nem me imagino sem um local com aquele 'clima' adequado para despachar e atender meu cliente.
Sem contar que acho ótimo me arrumar, pegar a pasta, me fantasiar 'de rica' e sair para meu escritório para produzir.
Rapaz, isto funciona muito e consigo produzir bastante.

Por outro lado, devo te contar um segredo: Amooooo de paixão escrever textos em casa, trajada numa surrada camiseta de algodão, short curto e chinelo no pé. As ideias fluem melhor,,,,

Um abraço! continuar lendo

Oi, Fátima!

Sempre bom receber seu comentário! Justamente por ser uma advogada experiente :)

Sobre o traje para escrever, agora sei porque seus textos são tão bons! Haha!

Obrigado por comentar!

Abraços! continuar lendo

Prezada Dra. Fátima,

Faço minhas as suas palavras, inteiro teor, exceto a parte do traje residencial (rs), pois para produzir, preciso sempre estar com o "uniforme" adequado para cada ocasião, eis que eu faço o que visto (coisa de maluco mesmo). Quando coloco bermuda, camiseta e chinelo, já era... aí o cérebro interpreta como descanso e já não sai mais nada de muito útil....

Abraços à Dra. e ao Dr. Pedro. Excelentes textos e obrigado pelas dicas. continuar lendo

Só para não perder o costume doutor não poderia deixar de comentar lhe parabenizando pelo conteúdo de ótima qualidade que como sempre me ajuda muito.

Eu estava lendo os conteúdos do dia, quando vi a notificação do texto e já corri para ler.

Anotei tudo na minha agenda para jamais esquecer.

Obrigada você é sensacional. continuar lendo

Oi, Juliana!

Puxa vida! Fico muito feliz por isso!

Obrigado por sempre compartilhar seu feedback aqui comigo ;)

Abraços! continuar lendo

Mais um excelente e útil texto, parabéns, @pedrocustodion!
Engraçado que existem muitas opções e ferramentas gratuitas pela internet afora, e creio que o passo mais difícil é ter o "click" de conhecimento para ir buscar essas ferramentas e informações. Na faculdade dificilmente temos contato com essa forma de pensar além dos códigos e leis. continuar lendo

Oi, @nataliafoliveira !

Sim! Existem várias, e eu estou sempre testando alguma coisa! Haha!

Acho incrível como nosso dia a dia fica mais fácil com elas. Depois vou atualizar aquele texto que menciono nesse texto! Haha! ;)

Obrigado pelo seu comentário!

Abraços! continuar lendo

Excelente texto,ainda não me formei mas tenho o mesmo pensamento que você amigo ,pretendo divulgar meu trabalho entre amigos,nas redes sociais e de maneira simplória advogar para aqueles que necessitarem, estou certo de que se trabalhamos com honestidade ,clareza e boa fé acima de tudo,serei bem sucedido independente de ter um escritório bem estruturado. continuar lendo

Oi, Roberto!

Fico feliz por pensar assim! Ser bem-sucedido, acredito eu, tem a ver mais com quem somos e, não, com o que temos.

Obrigado pelo seu comentário!

Abraços! continuar lendo